Loading...

Não se pode morar nos olhos de um gato


Votos de UtilizadoresVotos de UtilizadoresVotos de UtilizadoresVotos de UtilizadoresVotos de Utilizadores
Seja o primeiro a votar, clique na pontuação que deseja atribuír. Registe-se para votar.

Sinopse

Em finais do século XIX, já depois da abolição da escravatura, um tumbeiro clandestino naufraga ao largo do Brasil. Um grupo de náufragos atinge uma praia intermitente, que desaparece na maré cheia: um capataz, um escravo, um mísero criado, um padre, um estudante, uma fidalga e sua filha, um menino pretinho ainda a dar os primeiros passos... Todos são vencedores na morte, perdedores na vida. O mar, ao contrário dos seus antecedentes quotidianos, dá-lhes agora uma segunda oportunidade, duas vezes por noite, duas vezes por dia. Ao contrário do que pensam, não estão sós naquele cárcere, com os penhascos enquanto sentinelas, cercados de infinitos, entre o céu e o oceano. Trazem com eles todos os seus remorsos, todos os seus fantasmas. E mais difícil do que fazerem-se ao mar ou escalarem precipícios será ultrapassarem os preconceitos: os de raça, os de classe social, os de género, os de credo. Para sobreviverem, terão de se transformar num monstro funcional com muitos braços e muitas cabeças; serão tanto mais deuses de si próprios quanto mais se tornarem humanos e conseguirem um estado de graça a que poucos terão acesso: a capacidade de se colocarem na pele do outro.

Comentários

Precisa de se registar para aceder aos comentários.

Voltar

Top 10 de vendas

Novidades

Questão

Qual a secção do Portal da Literatura de que mais gosta?

Livros 47.03 %
Poesia 17.30 %
Também Escrevo 13.51 %
Escritores 10.27 %
Pensamentos 3.78 %
Adivinhas 2.70 %
Editoras 2.16 %
Provérbios 2.16 %
Vídeos 1.08 %

185 voto(s) até ao momento

Para poder votar é necessário estar registado no Portal da Literatura.
Registe-se

Este website contém 2866 autores e 6957 obras.